Londres em 36 Horas! Sim. É possível!

Passei por Londres na minha ida à França, para a apresentação do meu paper no IEEE/Vehicular Power and Propulsion Conference. Na realidade, como estive na Inglaterra por motivo de trânsito apenas, tive exatamente 36 horas para conhecer a capital inglesa. A princípio, me deu um certo desespero em notar que poderia ser pouco tempo para ver e vivenciar tudo (ou quase tudo) o que Londres oferece. Mas como lamentar-se não resolve, precisei planejar bem este “dia e meio” de que dispunha para tirar o melhor possíivel.

Desembarquei no aeroporto de Heathrow pontualmente as 7:00 da manhã de uma  segunda-feira, feriado bancário em Londres, vindo em um voo da British Airways. Busquei correr para fazer a imigração no menor tempo possível. Chegando no guichê da imigração, apresentei meus documentos e minha carta-convite, expedida pela Université de Lille, comprovando que estava na Europa a trabalho e a convite do congresso. Não tive problemas. As 8:00 da manhã estava com os pés na estação do Undergroung (metrô), mais precisamente na estação “Heathrow Terminal 5”. Tomei o a linha Piccadilly do metrô sentido Cockfosters. Entretanto, deveria para na estação Holborn. Lá, pegaria a linha Central até a estação Oxford Circus, pois meu hotel fica a três quadras desta última. A viagem de metrô até Oxford Circus durou cerca de 1 hora.

________________________________________________________________

DICA! Recomendo fortemente o Holliday Inn Oxford Circus , onde me hospedei. As diárias custam cerca de £ 110.00, o que está dentro da média. O pessoal é extremamente gentil e hotel é bastante aconchegante. Além disso, a sua localização é extremamente favorável para quem quer se deslocar por todas as regiões da cidade (com pouco tempo, como era o meu caso). Fica bem perto de Oxfor Street, indo se pode comprar roupas de alto nível a preços ridículos. Pra vocês terem uma idéia, comprei um blazer na Primark Stores (484-504 Oxford St) por £ 19.00 (50 Reais).

________________________________________________________________

Após me instalar no hotel, só havia uma intenção em minha cabeça: não perder tempo! Solicitei um mapa da cidade na recepção do hotel e, munido de uma mochila com máquina fotográfica, meu passaporte (é importante portar), água mineral, constatei que um bom início seria  caminhar do hotel (Welbeck St.) rumo ao Green Park, uma vez que fica bem ao lado do Palácio de Buckingham e esta foi a primeira atração na cidade para o roteiro que eu havia traçado. O trajeto tem aproximadamente 1,5 Km.

Muito bem. Após mais ou menos caminhar por volta de 20 minutos pelas ruas e me deslumbrar com a beleza da arquitetura das construções, com seus tijolos a vista, revelando a arquitetura e o estilo vitorianos, enfim cheguei ao Green Park, bem de frente para a estação Green Park do metrô. O parque é ideal para repleto por uma linda área verde bem no meio da cidade. É impressionante como essas áreas são valorizadas e como os britânicos se preocupam em deixá-la em ordem para que as pessoas tenham um refúgio meio a loucura de uma metrópole. Se bem que, apesar de ser talvez o mais importante centro urbano da Europa, achei Londres tranquila para se caminhar/trafegar.

Rumo a Buckingham lá estava eu! Cruzar o Green Park rumo ao Palácio de Buckingham revelou-se um prazer enorme. A caminhada levou menos de dez minutos (700 m). À medida que me aproximava do palácio, era possível avistar seus portões dourados e um enorme aglomerado de pessoas de todas as partes do mundo. Enfim, lá estava eu. Buckinham é um lugar incrível. Sei que já é um clichê, mas a troca da guarda é um evento muito bacana de se ver vistoe eu cheguei bem na hora! Entretanto, como meu cronograma estava bastante apertado, gastei apenas 30 minutos no local. Apesar da vontade de ficar mais um pouco, estranhamente me bateu uma grande certeza de que eu voltaria àquele lugar em outra oportunidade.

Meu próximo destino apontava em direção ao Rio Tâmisa. Para isso rumei pela via Buckinham Gate até cair na Victoria St. em direção à Abadia de Westminster. O trajeto tem aproximadamente 1200m e levei pouco mais que 15 minutos. À medida em que me aproximava de Westminster, mais tinha  certeza de que realmente estava em Londres. Não perdi

muito tempo na abadia. Além da visita ao seu interior ser paga, o meu tempo era fator crucial. Decidi fotografar bastante o local, pois a beleza da sua arquitetura faz cada foto virar um cartão postal, um mais bonito que o outro. Atrás da Igreja, tremulava uma enorme bandeira da Grã-Bretanha. Espetacular. O mais fantástico em estar exatamente naquele local era saber que eu já estava a poucos metros do Rio Tâmisa e, consequentemente, dos cartões postais mais importantes da cidade. Foi só contornar os limites da Abadia para logo avistar talvez a cena mais emocionante que tive: o topo do Big Ben.

Logo que se chega ao Big Ben se está, na verdade, bem no centro das principais (ou pelo menos as mais famosas) atrações da capital inglesa. Bem na beira do Tâmisa estão o próprio Big Ben, o Parlamento, A London Eye (roda gigante “gigante mesmo”), dentro outras construções que minha memória nao me deixou recordar. Enfim, para mim só importava uma coisa: fazer o mlhor uso do meu tempo. Ele estava correndo e eu não tinha mesmo muito dele pra esbanjar.

A essa altura, já era por volta de meio-dia.

Segui caminhando às margens do Tâmisa em direção ao Royal Festival Hall, a cerca de 400 metros dali, aind anas margens do Tâmisa. Há uma ponte, sem nome, sobre o rio.  Cruzei a mesma rumo à esquerda, em direção a estação Enbankment do metrô. A vista dali é deslumbrante.

Daí foi só pegar a Northumberland e lá estava eu na Trafalgar Square, um lugar fantástico, um ponto de descanso para alguns, onde s evê gente de todo o tipo, desde turistas até punks, metaleiros, hare krishnas, etc.

 

Há alumas barracas de ambulantes vendendo souvenirs baratos e uma grande variedae de postais. neste percurso. Vale a pena comprar alguma coisa.

Na volta segui pela Trafalgar Sq. rumo a A4. É um percurso de 30 minutos, bom pra quem tem pique de bater perna. Nesse meio tempo você estará no centrão de Londres, e tem muita coisa bacana pra se ver. Chegando no cruzamento com a Conventry St ., và sua esquerda você verá Piccadilly Circus, o que eu chamaria da versão londrina da Time Square.

 

 

Continua…

Sobre Eng. Rafael Coronel Bueno Sampaio, PhD.

Projeto & Pesquisa de Sistemas Mecatrônicos e Robótica Móvel
Esse post foi publicado em Dicas de Viagem, Europa e marcado , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Londres em 36 Horas! Sim. É possível!

  1. Paula Miranda Ribeiro disse:

    Rafael,
    Que pena que vc não publicou a continuação! Mesmo assim, obrigada pelas dicas.
    Paula

    • Olá Paula,

      pois é, ando numa correria que não me permite (infelizmente) falar mais das minhas viagens como eu gotaria. Mas se você precisar de dicas, me escreva um e-mail (rafaelcoronel@gmail.com) que terei o maior prazer em ajudar!
      Ah, e fique de olho, logo colocarei as continuações!

  2. Rodrigo salles disse:

    Rafael,
    Legal as suas viagens! Morei em Londres 2 anos e meio. Tenho ótimas recordações da terra da rainha…rsrsr.

    • Ol Rodrigo! Obrigado por comentar. Na verdade eu no terminei esse post. Quero colocar mais algumas dicas para quem, como eu, teve pouco tempo pra curtir Londres. Se voc tiver dicas bacanas, por favor, sinta-se a vontade para post-las! Abrao!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s